10 exemplos do uso da criatividade na publicidade

Não consigo imaginar meios de fazer um negócio prosperar sem que haja divulgação. E digo isso como algo que precisa partir do empreendimento para fora, pois não dá, nos dias de hoje, para contar apenas com o boca a boca. Posto isso, a pergunta que vem na sequência é como divulgar meu negócio?

Como praticamente tudo no empreendedorismo, não há resposta fácil para essa pergunta. Você pode simplesmente distribuir panfletos que enumerem seus produtos ou serviços e traga um número de telefone ou outra forma de contato. Talvez isso traga algum resultado, mas é o modo mais eficiente de fazer? As pessoas se sentiram impactadas por aquilo, irão sentir afinidade com sua marca, estarão mais dispostas a comprar ou contratar aquilo que você oferece?

Se a resposta for não, ou até se você ficou em dúvida, é melhor repensar sua comunicação. Pode ser que, no final das contas, você conclua que está fazendo o melhor possível, mas uma autoanálise é sempre importante – você só tem a ganhar com isso!

Como ser criativo?

Algumas pessoas parecem ser criativas por natureza e tudo o que fazem tem um quê especial. Quem não faz parte desse grupo não precisa se desesperar, é possível aprender a ser criativo. Ou melhor, é possível aprender a canalizar e exponenciar sua criatividade para algo (a produção de uma publicidade criativa, por exemplo). É tudo uma questão de técnica, conteúdo e treino.

Leia bastante, pesquise e tente. Tente, tente, tente muito e mostre para as pessoas aquilo que você criou. Analise suas reações e aprenda com isso. Depois, volte ao trabalho e aprimore aquilo que você estava fazendo.

Claro, estamos falando majoritariamente aqui para pequenos empreendedores que não possuem (ainda) verba para contratar uma agência renomada ou profissionais gabaritados.

Para inspirá-lo temos duas sugestões, a primeira é dar uma boa olhada na lista abaixo que traz 10 exemplos do uso da criatividade na publicidade. A segunda é a leitura de livros que têm como objetivo principal despertar a criatividade nas pessoas. E experimente e veja como ainda durante a leitura você terá insights que poderá colocar em prática.

– Conheça alguns livros sobre criatividade.

Livros sobre criatividade

Veja como outras pessoas estão inventando maneiras diferentes de se promoverem:

1. Outdoor que extrapola os limites do painel e utiliza a própria coluna de suporte como parte da peça. A comunicação busca chamar a atenção para a questão da economia de água em Denver, nos Estados Unidos.

2. Muito chamativo, o outdoor feito para a revista Science World foi “coberto” de ouro para despertar a curiosidade de quem o vê e ainda revela a quantidade de metal precioso necessária para o feito. “Porque é isso que a revista faz, ela explica as coisas” – a mensagem que eles quiseram passar é mais ou menos essa.

3. Os publicitários que trabalham para a Hot Wheels inovaram criando esse incrível outdoor que se relaciona com o viaduto.

4. Durante a divulgação de Kill Bill, foi criada essa chamativa peça publicitária que brinca com a quantidade de sangue presente no filme. Veja que os próprios carros também fazem parte.

5. Mais um anúncio criativo e diferente, que se aproveita das curvas de um prédio em Xangai como se elas fossem efeito de um super ventilador.

6. Neste caso, a publicidade talvez tenha ficado impactante em excesso. A intenção da marca de lâminas de barbear era trabalhar a ideia de que seu produto é extremamente afiado. Com certeza conseguiram chamar a atenção – e de modo criativo, mas creio que a ação tenha gerado algum tipo de reação negativa.

7. Nessa propaganda da Mammoth, área de ski na Califórnia (EUA), o outdoor é extremamente simples, traz apenas o nome do local. O que chama mesmo a atenção é esse praticante de snowboard “em pleno salto”!

8. Olha a maneira que uma academia de Curitiba arrumou para divulgar as aulas de karatê.

9. Aqui está a prova de que nem sempre é preciso ter uma verba imensa para chamar a atenção do público com publicidade. Claro que o dinheiro ajuda, mas se o orçamento estiver apertado, talvez seja a hora de investir em criatividade. Veja esse cartaz de divulgação de um estúdio de balé. Seria igual a qualquer outro não fosse o fato de que a parte destacável está dobrada para cima em referência ao traje utilizado na dança. Legal, simples e criativo.

10. Às vezes é preciso ter um pouco de ousadia na hora de anunciar seu produto. É só usar o bom senso para não extrapolar e acabar ofendendo seus consumidores. Um bom exemplo de ousadia bem dosada na publicidade foi a ação da Caloi com anúncios dentro da página de classificados automotivos. Provavelmente o custo não foi tão caro comparado a outros tipos de anúncios no jornal, mas a repercussão atingida foi bem significativa, rendendo inúmeros elogios e comentários positivos para a marca.

10 ideias para abrir uma empresa com baixo investimento

Empresas baixo custoMicroempreendedores são profissionais que estão dispostos a lutar por uma ideia, possuem o espírito empreendedor, mas não o capital suficiente para começar uma empresa “convencional”, ou até mesmo uma franquia. Porém, isso não significa que não seja possível montar um negócio.

Pessoas com esse perfil precisam usar a criatividade para eliminar todos os gastos possíveis e ainda assim obter um resultado que atraia consumidores. A tarefa não é fácil, para ajudá-lo, Marcos Rezende, do blog Insistimento, listou 10 ótimas ideias de micronegócios que podem ser iniciados com muito pouco capital. Veja a lista:

1. Empresa de delivery de sucos naturais

2. Empresa de salão de beleza masculino com atendimento em casa

3. Empresa de consultoria para lojas virtuais

4. Academia ao ar livre

5. Empresa de coordenação de projetos digitais

6. Empresa de consultoria de RH para pessoas de baixa renda

7. Empresa de entrega de produtos de higiene pessoal e limpeza

8. Empresa de lavagem de carro em casa

9. Site de venda de resíduos de obra

10. Empresa de curso online

Leia a descrição de cada ideia acessando o post original no blog Insistimento.

Aerotrópole – Livro mostra como o transporte aéreo está transformando as cidades

-Aerotrópole traz estudos de caso sobre enormes aeroportos que se transformaram em verdadeiras cidades;
-Novo modelo é capaz de reestruturar os negócios e a vida urbana, alavancando a economia de regiões inteiras.
-Livro trata relação do Brasil com os aeroportos como exemplo a não ser seguido.

Livro AerotrópolePense numa cidade construída ao redor de um aeroporto, que ofereça ao mundo dos negócios uma rápida conectividade com fornecedores, clientes e parceiros a nível nacional ou internacional. O estudo de caso sobre estas novas experiências de integração aeroportuária e urbana estão presentes em Aerotrópole – o modo como viveremos no futuro (DVS Editora).

O livro é uma parceria entre o jornalista Greg Lindsay e o professor John D. Kasarda, da Universidade da Carolina do Norte. Foi Kasarda quem cunhou o termo aerotrópole ao se dar conta que, na era da globalização, as pessoas desejam viver em cidades conectadas por um farto e acessível transporte aéreo. Tal questão é ainda mais preponderante no mundo dos negócios, em que a necessidade de viajar não é mais exclusividade dos cargos mais altos – é uma realidade também para pessoas que estão em níveis intermediários.

“Dúzias de aerotrópoles estão se desenvolvendo ao redor do mundo de forma planejada ou mesmo espontaneamente. Entre as mais proeminentes temos as de Amsterdam com o aeroporto de Schiphol, Hong Kong, Incheon na Coreia do Sul, Dubai, Chicago, Dallas-Ft Worth, Washington Dulles, e Memphis. Elas têm atraído uma notável quantidade de investimentos nos negócios localizados na área do aeroporto e causando grande impacto econômico em suas regiões e nações. Em muitos casos, esses investimentos batem a casa dos US$ 10 bilhões ao ano”, relata Kasarda.

Para oferecer uma análise precisa sobre este fenômeno, o livro aborda urbanismo, economia global, relações internacionais, sociologia e, principalmente, globalização. Após a leitura da obra, é possível imaginar um novo formato para o mapa mundial em que as aerotrópoles poderiam ser colocadas lado a lado, independente da distância real entre elas.

O caso brasileiro
O Brasil é citado diversas vezes durante o livro. Brasília é, inclusive, mencionada como um exemplo negativo de cidade planejada. Infelizmente, a realidade nacional é condenada por Kasarda. “Apenas a China planeja investir cerca de US$ 240 bilhões nesse setor nos próximos cinco anos, incluindo a construção de 11 novos aeroportos comerciais. Ásia e Oriente Médio têm uma visão diferente da brasileira. A maioria dessas nações enxerga os aeroportos como ativos de infraestrutura primária, enquanto no Brasil, os aeroportos são vistos muitas vezes como um dano ou uma ameaça ao ambiente a ser controlada”, discute.

Estamos vivenciando o aparecimento de uma era verdadeiramente global e a leitura de Aerotrópole é essencial para entendermos como e onde viveremos e trabalharemos nesta nova realidade. Além do interesse que desperta no público geral, Kasarda explica que a obra serve de aconselhamento a governantes públicos e empresários do setor.

Sobre os autores
John D. Kasarda é professor de Estratégia e Empreendedorismo e Diretor do Instituto Kenan das Empresas Privadas, na Universidade de Carolina do Norte, e também integra o Instituto de Comércio Aéreo. O autor publicou mais de 100 artigos e nove livros sobre cidades aeroportuárias, infraestrutura aeronáutica, desenvolvimento econômico e competitividade. Ele é frequentemente citado no The Wall Street Journal, The New York Times, Business Week, e mídia internacional em geral. Kasarda já ofereceu numerosos programas voltados para executivos onde tratou de questões como logística aérea, localização empresarial, gestão da cadeia de abastecimento global e desenvolvimento aeroportuário de empresas multinacionais, como a Boeing, a Airbus, a FedEx, a Lufthansa, DHL, vias aéreas tailandesas International, Caterpillar Logistics, Prudential Real Estate , Bank of America e Deloitte & Touche.

Greg Lindsay é jornalista e já escreveu artigos para as revistas Time, Fortune, BusinessWeek e Fast Company.

Aerotrópole – o modo como viveremos no futuro
Autores: John D. Kasarda e Greg Lindsay
Editora: DVS Editora
Páginas: 616
ISBN: 978-85-88329-80-5
Preço: R$ 75,00

10 sites para quem quer ser freelancer

Muita gente que tem emprego fixo costuma prestar serviços extra para reforçar o orçamento. Esse tipo de prática ficou conhecida como freelance, em que o vínculo entre quem contrata e quem oferece o trabalho pode não passar de um único serviço.

Este também pode ser um primeiro passo para profissionais que buscam abrir suas próprias empresas. Muitas foram criadas por gente empregada que viu o “frila” remunerar melhor que o salário fixo.

De um modo ou de outro, ser freelance está em alta e se você precisa de uma ajudinha para encontrar oportunidades, para aprender a se auto-gerenciar ou ter novas ideias para aprimorar seus serviços, a lista abaixo (criada pelo site Catracalivre) traz 10 sites interessantes sobre o assunto, vale a pena visitar cada um deles.

ComunicaGeral – oferece oportunidade para freelancer, programador, web designer, profissionais de comunicação, marketing, design gráfico, internet e tecnologia.

Escola Freelancer – site conta com diversas matérias para ajudar o freelancer, como por exemplo “Como criar um portfólio online em 7 passos”, “As maiores dificuldades na gestão de tempo e como superá-las”, entre outras.

Freela.com.br – reúne diversas oportunidades de áreas variadas.

Busca Freelas – uma rede social voltada para freelancers.

Prolancer – oportunidades nas áreas de design e criação, fotografia e audiovisual, publicidade e marketing, redação e conteúdo e web e desenvolvimento.

Freelancenow – um espaço para freelas e para a comunicação entre empresas.

Trampos.co – site de vagas de emprego que tem uma área especial para anúncio de trabalhos freelancers.

GetNinjas – um espaço para encontrar e anunciar os mais variados tipos de trabalho.

Freelance Web designer – site voltado para profissionais da área.

Shoe Boxed – este é para quem já está trabalhando como freelancer. Ajuda a organizar os papéi como recibos, pagamentos e documentos.

 

Sugestões de leitura para empreendedores

Algum desses tipos diz respeito ao seu modo de agir? Qual deles? Bem, antes que você responda, aqui vão algumas sujeitos de leitura que podem ajudar você nesta árdua, mas recompensadora jornada:

Gestão Estratégica do Franchising1. Gestão Estratégica do Franchising – Integrar toda a cadeia de negócios se torna imperativo para a conquista do sucesso. Este livro mostra como manter toda a rede alinhada, fazendo o Franqueador pensar macro e em longo prazo e o Franqueado pensar micro: sua unidade, região, curto prazo, porém, uma certa dose de audácia e visão é necessária para o país elevar o seu grau de profissionalismo num sistema que cresce a taxas significativas e que tem colocado o Brasil entre as quatro maiores nações mundiais de Franchising.

 

Empreender é a Solução2. Empreender é a Solução – Se você é do tipo que se diz empreendedor, mas ainda não iniciou de fato um negócio, este livro é também para você. Ele traz desde insights, passando por depoimentos de importantes empresários, a métodos para você gerenciar seu empreendimento aumentando as chances de sucesso.

 

 

Superando as Armadilhas da Comoditização3. Superando as Armadilhas da Comoditização – O livro explica o recorrente processo da comoditização em que produtos e serviços dos mais variados tipos também entram na roda. A partir daí podemos descobrir como driblar os desafios da hiperconcorrência sem precisar derrubar o preço, garantindo assim o lucro do seu negócio.

 

 

Como4. COMO – O livro prega que não é mais O QUE se faz que o diferencia da concorrência, mas COMO se faz – este é o segredo para o sucesso do negócio. Aprenda a se destacar no mercado utilizando a sua conduta para agregando valor aos produtos e serviços comercializados.

 

 

Diário de um Motociclista sobre Empreendedorismo5. Diário de um Motociclista sobre Empreendedorismo – Pilotar uma moto tem muito a ver com pilotar uma empresa, é o que propõe este livro. “Diário de um Motociclista sobre Empreendedorismo” traz ensinamentos adequados especialmente para empresários que gostam de agir com autonomia – tanto nas estradas quanto nas salas de diretoria.

Ricardo Felício afirma que o aquecimento global é uma mentira

Segundo Ricardo Felício, que dá aulas de climatologia na USP, o aquecimento global é uma mentira já que não existem provas científicas sobre o fenômeno. Desde que Felício apareceu no Programa do Jô, da TV Globo, no dia 02 de maio de 2012, o vídeo com a entrevista do professor tem sido amplamente compartilhado nas mídias sociais. Assista abaixo.

Aquecimento globalO assunto também já havia interessado Václav Klaus, presidente da República Tcheca, que publicou o livro Planeta Azul em Algemas Verdes (DVS Editora). Klaus, assim como Ricardo Felício, duvida da teoria de que nós estamos influenciando na temperatura do Planeta. O presidente ainda leva o debate ao campo político questionando a privação que o discurso ambientalista propõe – frear a indústria que poluentes na atmosfera, por exemplo.

O tema é realmente controverso e tem sido abordado nas mais variadas esferas da sociedade, no campo acadêmico e na mídia. Provavelmente você já esteve envolvido em discussões em que nasceu a pergunta: o aquecimento global é verdade ou mentira? Continue se aprofundando neste ponto de vista, o compartilhado por Ricardo Felício e Václav Klaus, com a leitura do livro, acesse.

Você sabe o que é Chi Mental?

Então para saber é necessário ler com muita atenção o livro de Richard Israel e Vanda North chamado Mind Chi – Re-wire Your Brain in 8 Minutes a Day (algo como Chi Mental – Reenergize o Seu Cérebro em Oito Minutos por Dia, que em breve será lançado no Brasil pela DVS Editora).

Por enquanto, vocês terão uma “degustação” sobre o que os autores desenvolvem no seu livro: o programa Chi Mental.

Está comprovado que tudo o que fazemos, sentimos, expressamos e pensamos é alimentado e impulsionado por nossa energia mental. Portanto, o resultado de todo pensamento, atitude ou emoção depende da forma como direcionamos nossa energia!

E aí vão duas provocações:

Continue lendo

Um novo modo de lidar com a concorrência

Obra Superando as Armadilhas da Comoditização mostra como agir quando a redução constante de preços torna-se impraticável; Autor Richard A. D’Aveni trata de exemplos vividos por empresas como Apple, Hilton Hotels, Zara e Harley-Davidson; Obra originalmente publicada pela Harvard Business Press é lançada no Brasil em fevereiro pela DVS Editora;

Superando as Armadilhas da Comoditização é uma obra de alerta para os empresários cujos negócios estão caindo na armadilha da comoditização – uma forma insidiosa de hipercompetição capaz não apenas de tirar sua empresa do mercado, como abalar um setor inteiro e destruir diversos mercados.

O fato comprova-se já na realidade econômica brasileira onde diversos setores vivem a invasão de produtos a baixo custo (principalmente chineses), o que inviabiliza uma concorrência justa e saudável. Continue lendo

Empreendedorismo muda área de destino de migrante

Raimundo Soares, dono da Galinhada do Bahia

Raimundo Soares, dono da Galinhada do Bahia

O empreendedorismo de migrantes move a economia -mas, em áreas de metrópoles brasileiras que receberam pessoas de outros Estados até os anos 1980, o crescimento começa a ser visto agora.

Matéria de FELIPE GUTIERREZ publicada originalmente na Folha Online

Quem faz a avaliação é o jornalista canadense Doug Saunders, autor de “Arrival City” (cidade de chegada, em tradução livre, obra que será lançada em breve pela DVS Editora), lançado neste ano nos EUA. O termo cunhado por ele refere-se a regiões, como bairros, que migrantes vindos do interior rural adotaram para viver.

Devido à instabilidade econômica até meados dos anos 1990, pequenos negócios de pessoas que deixaram a cidade natal não nasceram e cresceram na velocidade com que poderiam. Hoje, diz ele, que dedicou dois capítulos do livro ao Brasil, inicia-se nova fase -com novos empreendimentos e formalização. Continue lendo

A Fina Arte do Sucesso (Breve lançamento)

O professor de Estratégias e Gestão da Inovação da Antwerp Management School, Jamie Anderson; o artista, fundador da empresa Art-Thinking Consulting e professor de Inovação e Criatividade do Lorange Institute (Suíça), Jörg Reckhenrich; e o diretor de programas e integrante da Faculdade na European School of Management and Technology, em Berlim, na Alemanha, Martin Kupp, são os autores de um livro maravilhoso: The Fine Art of Sucess (A Fina Arte do Sucesso), no qual ensinam como se deve assimilar a “grande arte” para se criar um grande negócio!

Nesse livro, destaca-se que uma pessoa sabe usar a criatividade quando aplica a mesma para melhor realizar uma tarefa, procurando, para tanto, diversas opções que possibilitam executá-la.

Claro que criatividade leva à inovação!

Para se chegar à inovação, deve-se estar apto a enxergá-la sob três ângulos, isto é: observar o que é feito nas organizações vencedoras, certificar-se dos procedimentos novos que levam o capitalismo ao sucesso e o que fazem os líderes vitoriosos ou pessoas de sucesso na “própria casa”, ou seja, como desenvolvem as suas ideias para promover a inovação que conduz a resultados destacados.

Em The Fine Art of Sucess, os autores mostram como o sucesso obtido por artistas como Damien Hirst, Joseph Beuys, Pablo Picasso ou Madonna servem de excelentes exemplos para se obter sucesso em qualquer negócio.

Tomando o caso da cantora Madonna, é óbvio que ela não construiu o seu sucesso somente na sorte ou no seu talento. Ao contrário, ela analisou cuidadosamente tudo sobre o seu mercado e os seus clientes (fãs), bem como as próprias competências e aspirações para desenvolver uma estratégia pessoal diferenciada.

Mas mesmo antes que a sua bem-sucedida estratégia fosse colocada em ação, Madonna foi decidida e corajosa o suficiente para fazer uma introspecção sobre a mesma e inclusive de mudá-la! Continue lendo

Livro revela como os números dominam sua vida!

Obra de Kaiser Fung traz uma leitura sobre a influência velada da probabilidade; Métodos do especialista são amplamente aplicados à publicidade e à área de comportamento do consumidor.

Você já parou para pensar sobre como quase tudo o que você faz envolve números? Da comida que escolhe ao lugar em que trabalha, dos candidatos que escolhe às diversões que frequenta, os números literalmente governam tudo em sua vida, e o que o estatístico e blogueiro, Kaiser Fung, pretende lhe mostrar é que os números não mentem e que você pode usá-los para superar as probabilidades — no trabalho, no lazer e na vida. Continue lendo

O ELO da Gestão de Carreira

A importância do empregado em assumir a responsabilidade pela gestão de sua carreira é recorrente. Entretanto, ele, sozinho, nem sempre atinge o sucesso. Isto porque a equação “gestão de carreira” tem três variáveis: Empregado, Lideranças e Organização. A partir das quais, formam um eixo de sustentação que chamamos de ELO. A responsabilidade compartilhada dos três atores na gestão de carreira torna o empregado um dos componentes e não apenas o único.

Por Cláudio Queiroz. Continue lendo