Quando os investidores fogem

Caros leitores, vou começar esta matéria de uma forma inusitada, ou melhor, a partir de um tema que aparentemente nada tem haver com o universo dos investimentos e seus operadores.

Por Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial e membro do conselho editorial da DVS Editora.

Começaremos abordando sobre a atividade de caçar. Sim, essa mesma, a caça esportiva a animais indefesos. O leitor já teve contato com essa atividade? (Aos excessivamente politicamente corretos, as minhas sinceras desculpas). Por mais incrível que pareça, nesta atividade encontra-se parte de um conjunto comportamental que surpreendentemente em muito se relaciona com a nossa temática principal, com a grande diferença de que quando se “caça” investimentos deve-se excluir terminantemente toda e qualquer atividade ou ato que sugira tocaias, dissimulações, armadilhas ou atos e sentidos predatórios. Diante de investidores, toda transparência é pouco, e a relação de confiança deve ir muito além da retórica, sendo marcada por parâmetros claros e meios específicos e estruturados de fiscalização, além do rigor no respeito as normas vigentes. Continue lendo