Menu

Um pouco sobre Lovemarks!

Marca, Marketing Pessoal, Blog do Editor, DVS, DVS EditoraAs lovemarks não são propriedade dos fabricantes, dos produtores, das empresas. São das pessoas que as amam!!! Uma marca se torna uma marca do amor (lovemark) quando as pessoas que a amam lhe dizem isso. Entretanto, simplesmente sentar e aguardar que os clientes lhe digam que você é uma marca do amor pode transformar-se em uma longa espera.

Por Victor Mirshawka.

Amor diz respeito à ação. Diz respeito a criar um relacionamento expressivo. É um processo constante de se manter em contato, trabalhar com os clientes, entendê-los, conviver com eles.

E é isso que os profissionais de marketing perspicazes, designers sensíveis e pessoas sábias fazem todos os dias nos pontos de venda e nas linhas de produção.

Os clientes sentem o cheiro de falsidade a quilômetros de distância. Se você não ama o próprio negócio, eles também não o amarão. Eles precisam opinar sobre o desenvolvimento de novos produtos e dar idéias para os seus serviços.

Envolva-os em tudo, porém não apresente simplesmente o que lhe disserem. Assuma o compromisso de mudar. Seja criativo!!!


Marcas de amor são infundidas em histórias marcantes e invocadoras. Em seu melhor estilo, podem se tornar lendas míticas. Relembram grandes aventuras da empresa, seus produtos e seus consumidores lendários.  Contar historias sobre isso glorifica, dando vazão a novos significados, conexões e sentimentos.

As lovemarks são, por definição, as melhores de sua classe para aqueles que as amam. A paixão por uma lovemark pode ser intensa.

No extremo da escala, as pessoas darão a vida por sua marca de amor. Na verdade, os países provavelmente são as marcas de amor mais poderosas que existem!!!

Somente com a intimidade é possível derrubar o isolamento das pessoas e entender profundamente o que elas querem. Existir a intimidade é essencial para tornar-se uma lovemark.

Talvez o melhor exemplo do uso extremamente eficaz da intimidade é o da apresentadora de programas de TV, Oprah Winfrey, a mais popular e rica dos EUA.

Diversos apresentadores nos seus programas dão uma mescla de conselhos e de suas percepções aos telespectadores, porém nenhum deles usa com tanta propriedade a intimidade, como ela.

A câmera ama Oprah Winfrey, mas, em vez de apenas corresponder a esse amor, como fazem os outros apresentadores, seu olhar atravessa a câmera para conectar-se diretamente com a audiência..

Esse é o segredo de Oprah Winfrey.

Transformação, não apenas comunicação, ajudando principalmente as mulheres que assistem o seu programa a criar intimidade na vida e nos relacionamentos.

A intimidade tem três faces muito diferentes. A primeira é empatia. Só existe uma forma de entender as emoções dos outros, ou de entender de tudo isso. Ouvindo.

A empatia é criada a partir da tensão entre o som da voz e o silêncio pretendido.

Com empatia, flertes se tornam casos de amor duradouros.

Sem empatia, você não cria emoção nem intimidade, e pode esquecer tudo sobre sinceridade e transformar a visão do cliente.

Por exemplo, o Camry, da Toyota é uma lovemark não simplesmente porque tem sido ano após ano o carro campeão de vendas nos EUA, mas porque tem uma empatia extraordinária com muitos clientes.

A segunda face é o compromisso, que permite provar que uma empresa através de seu produto quer estabelecer um relacionamento duradouro com os seus clientes.

Uma excelente forma de entender o que é compromisso e a sua diferença com envolvimento está na definição: em um prato com bacon e ovos, o porco está comprometido e a galinha apenas envolvida!!!.

O compromisso pode transformar a fidelidade, representada por uma aceitação automática, em um estado de conscientização real, impregnado de emoção verdadeira – fidelidade além da razão.

Aliás, foi a fidelidade além da razão que convenceu os usuários da Apple a continuar comprando a marca, quando a Apple produziu caixas bege, inexpressivas, sem nenhuma diferenciação do mercado.

Se, antes, aderir ao Apple era demonstração de autenticidade, comprar um desses computadores passou a ser um grande favor.

Mesmo assim, muitos não se desfaziam deles – perguntando-se o tempo todo – por quê?

Steve Jobs fez seu retorno triunfal à Apple em 1994.

De volta aos trilhos, a companhia foi para a liderança e lá ficou. Aí, todos aqueles consumidores comprometidos se sentiram vingados, e continuaram mais fiéis do que nunca…

A terceira face da intimidade é a paixão.

Aliás, quando existe paixão o mais difícil dos objetivos pode ser alcançado.

Com paixão, os planos mais bem traçados podem se dete­riorar  e perecer.

Tê-la é pois uma benção e um dom.

Quando a Nike contratou Michael Jordan dificilmente a sua alta administração suspeitava de quanto os seus clientes ficariam apaixonados por esse homem.

O fenômeno Michael Jordan, que é parte da marca Nike, continua a demonstrar um amor inexplicável por aquele homem.

Bem entendido como a intimidade auxilia a criar uma lovemark,  surge a pergunta óbvia: por que uma empresa precisa se preocupar se seus produtos são lovemarks ou não?

A resposta é: porque é assim que criamos um mundo no qual gostamos de viver!!!

E é assim também que criamos relacionamentos duradouros e fidelidade além da razão.

Conquistamos consumidores que amam a nossa marca.

Sem amor, é garantido que um dia até as melhores empresas tombarão.

Elas nem sentirão o perigo se aproximando, pois ninguém estará preocupado o suficiente e pronto para avisá-los.

Isso já aconteceu antes e vai acontecer de novo.

Mesmo que você seja o maior, o melhor e o mais inteligente, por que não desejaria ser o mais amado?

Por que não iria querer fazer do mundo um lugar melhor?

Então procure ser uma lovemark!!!

GRD_43_quali_humor3_gr
Escritor por Victor Mirshawka, o Qualidade com Humor, traz temas variados, de competitividade à liderança, de criatividade ao controle de processos, de fé religiosa ao cuidado com a saúde, de empreendedorismo à gestão de talentos, etc. Tudo isso para que o leitor tenha mais sabedoria. O leitor do Qualidade com Humor em todos os assuntos abordados terá também uma pitada de humor, mas sempre com a finalidade de estimular uma análise mais descontraída do tópico descrito com o intuito de elevar mais ainda sua sabedoria superior. Quanto mais um indivíduo desenvolver a sua sabedoria superior, mais saberá tolerar e menos usará a sabedoria inferior para julgar e critic

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com