Menu

Direitos humanos ainda não são prioridade em meio às empresas brasileiras, mostra pesquisa

Os direitos humanos ainda não são prioridade para as empresas brasileiras. A constatação foi publicado em uma matéria do jornal Valor Econômico, tendo com base um encontro realizado nesta semana (dia 18), na BM&FBovespa. Durante o seminário, foram apresentados dados de uma pesquisa realizada com mais de 800 funcionários de empresas de médio e grande porte. A pesquisa apontou que 31% dos entrevistados sofreram violações graves de seus direitos no trabalho nos últimos dez anos. São situações como racismo, roubo e assédio sexual que afetam, principalmente, negros, mulheres e pessoas com menor renda. Outras violações como maus-tratos são realidade para 20% dos empregados.
Segundo o jornal, a percepção de que é preciso “olhar para dentro”, como complemento das iniciativas de sustentabilidade, recebe menos atenção do que ações nas áreas social e ambiental. Durante a apresentação da pesquisa, foi discutido o fato de as empresas valorizarem cada vez mais itens como governança corporativa e responsabilidade social – 65,5% delas possuem programas permanentes nessa área – e não avançarem na mesma medida na questão do respeito aos direitos humanos.
Segundo o especialista em ética empresarial e autor do livro “Como” (DVS Editora), Dov Seidman, isto evidencia um cenário onde boa parte dos donos e gerentes de empresa não se dão conta do novo cenário econômico global, onde cada vez mais as empresas são diferenciadas pela maneira “como” fazem e não pelo “o quê ” produzem.
De acordo com o autor, a postura dos empresários brasileiros é preocupante. “Não é mais o quê se faz que o distingue dos outros, mas o como faz. Os o quês são itens básicos, fáceis de serem copiados ou de se aplicar engenharia reversa. A vantagem sustentável e o sucesso duradouro – tanto para as companhias como para as pessoas que nelas trabalham – hoje estão na esfera do como, a nova fronteira da conduta”, afirma.
O levantamento mostrou, porém, que empresas com iniciativas relacionadas à sustentabilidade registram melhores resultados também em relação aos direitos humanos.
Segundo os empresários ouvidos pelo jornal Valor Econômico, é importante que as organizações deem o mesmo peso a ambos os temas em suas políticas internas. O conselheiro e ex-presidente do Instituto Ethos, Ricardo Young, acredita que a leitura da pesquisa revela que a questão não está tão presente nas empresas como a da sustentabilidade. No entanto, elas estão enfrentando melhor alguns temas do que outros. A desigualdade de gênero, por exemplo, já é menor do que a de raça. “Ainda assim, avançamos pouco nos últimos anos”, afirma.

Os direitos humanos ainda não são prioridade para as empresas brasileiras. A constatação foi publicado em uma matéria do jornal Valor Econômico, tendo com base um encontro realizado nesta semana (dia 18), na BM&FBovespa. Durante o seminário, foram apresentados dados de uma pesquisa realizada com mais de 800 funcionários de empresas de médio e grande porte. A pesquisa apontou que 31% dos entrevistados sofreram violações graves de seus direitos no trabalho nos últimos dez anos. São situações como racismo, roubo e assédio sexual que afetam, principalmente, negros, mulheres e pessoas com menor renda. Outras violações como maus-tratos são realidade para 20% dos empregados.

Segundo o jornal, a percepção de que é preciso “olhar para dentro”, como complemento das iniciativas de sustentabilidade, recebe menos atenção do que ações nas áreas social e ambiental. Durante a apresentação da pesquisa, foi discutido o fato de as empresas valorizarem cada vez mais itens como governança corporativa e responsabilidade social – 65,5% delas possuem programas permanentes nessa área – e não avançarem na mesma medida na questão do respeito aos direitos humanos.


Segundo o especialista em ética empresarial e autor do livro “Como” (DVS Editora), Dov Seidman, isto evidencia um cenário onde boa parte dos donos e gerentes de empresa não se dão conta do novo cenário econômico global, onde cada vez mais as empresas são diferenciadas pela maneira “como” fazem e não pelo “o quê ” produzem.

De acordo com o autor, a postura dos empresários brasileiros é preocupante. “Não é mais o quê se faz que o distingue dos outros, mas o como faz. Os o quês são itens básicos, fáceis de serem copiados ou de se aplicar engenharia reversa. A vantagem sustentável e o sucesso duradouro – tanto para as companhias como para as pessoas que nelas trabalham – hoje estão na esfera do como, a nova fronteira da conduta”, afirma.

O levantamento mostrou, porém, que empresas com iniciativas relacionadas à sustentabilidade registram melhores resultados também em relação aos direitos humanos.

Segundo os empresários ouvidos pelo jornal Valor Econômico, é importante que as organizações deem o mesmo peso a ambos os temas em suas políticas internas. O conselheiro e ex-presidente do Instituto Ethos, Ricardo Young, acredita que a leitura da pesquisa revela que a questão não está tão presente nas empresas como a da sustentabilidade. No entanto, elas estão enfrentando melhor alguns temas do que outros. A desigualdade de gênero, por exemplo, já é menor do que a de raça. “Ainda assim, avançamos pouco nos últimos anos”, afirma.

Opine!

Você já passou por alguma empresa onde sofreu ou vivenciou algum violação do tipo?

Na sua opinião, qual a percepção que os empresários têm sobre questões relacionadas ao respeito dos direitos dos seus empregados?

As ações com relação aos direitos humanos se dão na prática ou não passam de discurso?

Dov Seidman

“O mundo mudou”, defende o autor, “a popularização da tecnologia da informação tem feito do bom comportamento um fator de extrema importância porque se torna cada vez mais difícil esconder o mau comportamento. Em última análise, a única maneira de desfrutar de uma boa reputação é a ganhá-la vivendo com integridade. Nós não podemos controlar nossas histórias, mas podemos controlar a forma como vivemos nossas vidas.”

Dov Seidman é chefe da LNR, empresa que tem ajudado algumas das mais respeitadas companhias do mundo a criar culturas vencedoras do “fazer o certo”. Em seu livro COMO: Por Que o COMO Fazer Algo Significa Tudo . . . nos Negócios (e na Vida), ele mostra como a avalanche de informações e a transparência sem precedentes remodelaram o universo empresarial de hoje e mudaram expressivamente as regras do jogo. Não é mais o quê se faz que o distingue dos outros, mas o como faz. Os o quês são itens básicos, fáceis de serem copiados ou de se aplicar engenharia reversa. A vantagem sustentável e o sucesso duradouro – tanto para as companhias como para as pessoas que nelas trabalham – hoje estão na esfera do como, a nova fronteira da conduta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com