A Fina Arte do Sucesso (Breve lançamento)

O professor de Estratégias e Gestão da Inovação da Antwerp Management School, Jamie Anderson; o artista, fundador da empresa Art-Thinking Consulting e professor de Inovação e Criatividade do Lorange Institute (Suíça), Jörg Reckhenrich; e o diretor de programas e integrante da Faculdade na European School of Management and Technology, em Berlim, na Alemanha, Martin Kupp, são os autores de um livro maravilhoso: The Fine Art of Sucess (A Fina Arte do Sucesso), no qual ensinam como se deve assimilar a “grande arte” para se criar um grande negócio!

Nesse livro, destaca-se que uma pessoa sabe usar a criatividade quando aplica a mesma para melhor realizar uma tarefa, procurando, para tanto, diversas opções que possibilitam executá-la.

Claro que criatividade leva à inovação!

Para se chegar à inovação, deve-se estar apto a enxergá-la sob três ângulos, isto é: observar o que é feito nas organizações vencedoras, certificar-se dos procedimentos novos que levam o capitalismo ao sucesso e o que fazem os líderes vitoriosos ou pessoas de sucesso na “própria casa”, ou seja, como desenvolvem as suas ideias para promover a inovação que conduz a resultados destacados.

Em The Fine Art of Sucess, os autores mostram como o sucesso obtido por artistas como Damien Hirst, Joseph Beuys, Pablo Picasso ou Madonna servem de excelentes exemplos para se obter sucesso em qualquer negócio.

Tomando o caso da cantora Madonna, é óbvio que ela não construiu o seu sucesso somente na sorte ou no seu talento. Ao contrário, ela analisou cuidadosamente tudo sobre o seu mercado e os seus clientes (fãs), bem como as próprias competências e aspirações para desenvolver uma estratégia pessoal diferenciada.

Mas mesmo antes que a sua bem-sucedida estratégia fosse colocada em ação, Madonna foi decidida e corajosa o suficiente para fazer uma introspecção sobre a mesma e inclusive de mudá-la!

Em vez de esperar que surgisse uma crise que poderia afundar sua carreira, Madonna fez o que se busca ensinar a todos os gestores e executivos:

  • ousem promover mudanças em tempos de bonança, e não quando se vive na turbulência de uma crise.

Apresentação de Madonna no intervalo da final do Super Bowl

RECORDANDO UM POUCO DO SUCESSO DE MADONNA

Em 2009, Madonna Louise Veronica Ciccone comemorou o seu 51º aniversário e a venda dos seus álbuns ultrapassou 200 milhões, tornando-se a cantora de rock que mais vendeu músicas no século XX!

Em 2007, seu nome apareceu no livro de recordes mundiais Guinness, como a cantora mais bem-sucedida do mundo pelas suas gravações e isso lhe garantiu um lugar no The Rock and Roll Hall of Fame.

Em 2008, ela lançou o seu 11º álbum, o Hard Candy.

O seu casamento com o produtor de filmes Guy Ritchie chegou ao fim e ela embarcou numa segunda adoção (bastante controvertida) de uma criança da África.

Apesar de todos esses eventos gerarem críticas e comentários maldosos, não impediram que ela continuasse obtendo muito sucesso nas suas apresentações pelos mais variados países do mundo.

A pergunta então é: como é que a Madonna foi capaz de manter seu incrível sucesso?

A resposta para essa questão repousa sobre cinco ingredientes-chave de uma estratégia bem elaborada, que, sem dúvida, é relevante tanto para as empresas como para os seus gestores.

Existem, assim, cinco dimensões que permitiram que Madonna alcançasse o estrelato e, se alguém segui-las de forma diligente, com certeza pode constituir os ingredientes para obter sucesso na sua carreira e manter a sua empresa sustentável e lucrativa.

Por outro lado, sem esses elementos numa organização, não se terá a sustentação para desenvolver a criatividade e a inovação na mesma.

1ª DIMENSÃO – VISÃO.

Um dos mais importantes princípios orientadores do sucesso de Madonna foi o seu intenso desejo de atingir o estrelato – a sua visão estratégica.

Madonna demonstrou um visível comprometimento para alcançar a fama, objetivo que ela perseguiu sem tréguas, pensando sempre em alcançá-lo e mantê-lo.

Ela foi a terceira de oito crianças e sua mãe morreu com 30 anos de idade, acometida por um câncer do pulmão, em 1963, quando ela tinha apenas cinco anos.

Em suas entrevistas, Madonna sempre ressaltou o impacto da morte prematura de sua mãe e as responsabilidades que caíram sobre seus ombros para cuidar dos seus irmãos. Sua aspiração para se tornar uma artista famosa começou no colégio, no qual ela foi uma aluna destacada (aquela que estava sempre no grupo dos que tiravam conceito A), excelente nos esportes, na dança e na interpretação teatral.

Ela manteve o seu interesse pela dança nos breves períodos em que frequentou as faculdades em Michigan e Carolina do Norte e, em 1977, foi a Nova York para estudar com o famoso coreógrafo Alvin Ailey.

Dois anos mais tarde, Madonna foi a Paris para participar de um show do cantor Patrick Hernandez. Aí ela encontrou o músico Dan Gilroy e voltou para Nova York, formando com ele a banda Breakfast Club. Madonna tocava instrumentos de percussão (bateria) e cantava na banda.

Em 1980, ela começou a namorar o baterista Steve Bray, do grupo Emmy, o que lhe possibilitou ter os primeiros discos na Jive Records.

Em 1982, com a ajuda do conhecido disc jockey (DJ) de Nova York, Mark Kamins, produziu o disco Everybody, que tornou-se o seu primeiro sucesso nos clubes noturnos dos Estados Unidos da América (EUA).

Entre 1983 e 2009, ela conseguiu lançar mais de dez álbuns, realizou inúmeras apresentações em diversos países do mundo – verdadeiros mega shows – e, além disso, atuou em mais de uma dúzia de filmes, com o que criou uma imagem e uma reputação no campo de entretenimento como cantora, música, artista, autora e talentosa observadora no seu campo de atuação.

Dentro da sua visão, ela nunca abriu mão da condição de que tudo que ela iria fazer devia dar lucro, ou seja, ganhar muito dinheiro!

E, sem dúvida, ela é uma das mulheres que mais ganha atualmente, no mundo, com os seus shows e gravações.

A visão de Madonna para tornar-se uma grande estrela pode-se perceber claramente no amplo espectro de suas atividades profissionais e pessoais, ou seja, seu desempenho nos palcos, na televisão, nos álbuns, nos seus vídeos, nos filmes de Hollywood, livros e nas suas conexões com diversas instituições filantrópicas e de caridade, todas elas feitas com grande dedicação, visando o seu objetivo primordial: tornar-se a artista feminina mais famosa do mundo!

Portanto, a visão é fundamental não só para as pessoas alcançarem sucesso nas suas carreiras, mas também para as organizações, principalmente se elas quiserem ter uma sobrevivência de longo prazo.

2ª DIMENSÃO – COMPREENDER OS CLIENTES E A INDÚSTRIA NA QUAL SE ATUA.

É óbvio que o sucesso de Madonna tem tudo a ver com a capacidade dela de achar e compreender o que as pessoas desejavam de uma entertainer (uma artista que diverte a plateia), bem como entender a indústria da música (uma integrante importante da indústria criativa).

O desempenho de Madonna em 1984 no MTV First Annual Video Music Awards, quando ela tinha 26 anos, foi considerado como verdadeiro “toque de gênio” na sua carreira, a primeira de muitas outras criações que faria daí para a frente.

Ela apareceu no palco para cantar Like a Virgin numa roupa que “assustou” alguns, mas que realmente rompeu todos os paradigmas, e a sua apresentação foi bastante atrevida pelos sugestivos movimentos sexuais que ficaram na mente de muitas pessoas.

Se a sua performance foi chocante, as outras que vieram a seguir foram também, mas daí em diante ela começou a influenciar as mulheres a ter o seu corte e cor de cabelo, a vestir as botas e as luvas com as quais aparecia nos shows e as lingeries que ela usava em suas apresentações tiveram vendas espetaculares.

Além da aptidão para compreender, ou melhor, captar as necessidades e gostos dos seus fãs (seus clientes), Madonna demonstrou uma enorme capacidade em lançar novas tendências.

Madonna também demonstrou muita esperteza ao dar um outro rumo para a indústria musical. Para tanto, ela valeu-se muito da MTV e foi graças a essas apresentações na televisão que ela ganhou cinco vezes o “disco de platina” da Billboard (a Billboard é uma revista semanal norte-americana especializada em informações sobre a indústria musical) pelas extraordinárias vendas dos seus álbuns.

Os seus shows quase sempre foram provocativos e geraram enormes polêmicas. Por exemplo, em 1987, quando ela começou a apresentar-se no seu show chamado Who’s That Girl World Tour, teve contra si a rejeição do Vaticano e o papa pediu para que as pessoas não comparecessem ao mesmo.

Mas os fãs não ouviram o pedido do papa, e a apresentação aconteceu como programada, com grande público presente.

Madonna usou e abusou do sexo como uma ferramenta de marketing para alcançar grande fama e notoriedade no início dos anos 1990, quando de fato tornou-se a artista que melhor soube manipular no mundo, o mercado de massa, fazendo uma justaposição de temas religiosos e sexuais.

O vídeo da canção Like a Prayer destaca vários símbolos católicos, sendo classificado pelo Vaticano como uma mistura profana de temas sexuais e simbolismo católico.

Madonna também fez um acordo com a empresa Pepsi para que a canção Like a Prayer fosse lançada com uma propaganda comercial para divulgar os produtos da companhia. Entretanto, quando saiu a versão em music-vídeo [f1] da canção na MTV, a Pepsi retirou a sua propaganda do ar!

Em 2003, Madonna gerou muita controvérsia e perplexidade quando no MTV Video Music Awards beijou no palco, de forma ardente, as suas “noivas”, Britney Spears e Christina Aguilera.

Por ter usado o crucifixo, um essencial símbolo religioso, no seu The Confessions Tour, em 2006, Madonna provocou uma reação da Igreja Ortodoxa russa e da Federação das Comunidades Judaicas da Rússia, que recomendaram que as pessoas (seus fiéis) boicotassem seus concertos. O Vaticano e os bispos da Alemanha também protestaram.

Aí Madonna afirmou: “A minha apresentação no show não tem nada de injurioso, blasfemo ou anticristão. Ao contrário, é um pedido para a audiência, no sentido de que as pessoas tomem coragem e busquem umas ajudarem as outras e para se ter um mundo unido como um todo em prol das boas ações!?!?”

Apesar de todas essas contendas, Madonna acabou demonstrando que compreendeu profundamente a política da indústria musical e mostrou o seu talento ao caminhar com desenvoltura na tênue linha que separava o escandaloso e o sacrificador da sua carreira.

A lição que se deve tirar do comportamento de Madonna é que, no mundo global, no qual a competição é cada vez mais acirrada, compreender o que desejam os clientes em todos os países das indústrias lá estabelecidas é algo fundamental para os gestores e para as companhias.

Caso se dedique pouca atenção à dinâmica de cada indústria e aos mutáveis desejos e necessidades dos clientes, certamente a consequência será a superação pelos concorrentes e o provável desaparecimento do mercado.

3ª DIMENSÃO – ALAVANCAR AS COMPETÊNCIAS E CORTAR OS PONTOS FRACOS.

Um importante elemento no sucesso da Madonna foi a sua aptidão para reconhecer as suas competências (pontos fortes), bem como as suas deficiências (pontos fracos).

Analisando um pouco a impressionante carreira da artista, tornou-se óbvio que uma das mais destacadas competências de Madonna é sua habilidade de apresentar-se com várias pessoas talentosas, porém ela continua a ser o centro das atenções!

Ao utilizar uma vasta rede de pessoal de apoio, que inclui músicos, especialistas em imagem e som, produtores de shows, dançarinos, designers etc., Madonna consegue esconder muitas de suas deficiências e até compensá-las de alguma forma…

Bem no início de sua carreira, Madonna percebeu que a sua aptidão para dançar bem como a sua voz não eram ainda tão “fortes” como desejava.

Aí o que ela fez?

Foi convencer Freddy De Mann, o gestor de carreira de Michael Jackson, a ajudá-la a desenvolver a sua. De Mann orientou Madonna e se afastou de Michael Jackson. Assim, em 1983, foi lançado o álbum Madonna e a canção Holiday fez um grande sucesso, ficando entre as 20 mais tocadas durante um bom tempo em muitos países.

Madonna estreou como artista de cinema após o seu casamento com o ator Sean Penn e um rápido relacionamento com o famoso ator Warren Beatty.

O seu livro Sex foi lançado para ser um “complemento” do seu álbum Erotica. As fotografias no livro Sex foram de autoria de alguns dos mais famosos fotógrafos de moda do mundo, como Steven Meisel, Fabien Baron, Stephen Callaghan e Darren Lew.

Sex provocou uma enorme controvérsia devido ao seu forte conteúdo voltado para o sexo explícito, mas isso não impediu que fossem vendidas 1.500.000 cópias nos três primeiros dias de lançamento pelo “salgado” preço de US$ 50 por exemplar. Aliás, isso fez de Sex um grande best-seller e imediatamente foram impressos mais um milhão de exemplares para serem vendidos especialmente na França, Japão e Itália.

No livro estão a modelo Naomi Campbell, a atriz Isabella Rossellini, os cantores de rap Vanilla Ice e Big Daddy Kane, o autor gay pornô Udo Kier e a socialite europeia Tatiana von Fürstenberg.

Um dia após o lançamento do livro, o canal de televisão MTV apresentou um documentário chamado The Day In Madonna, baseando-se no livro Sex e no seu álbum Erotica, o qual evidentemente foi um enorme sucesso de audiência.

Em dezembro de 2000, com 42 anos de idade, Madonna casou-se com o produtor de filmes Guy Ritchie e, em junho de 2001, aparecia no Star um filme comercial elaborado especialmente para a fabricante de veículos BMW por Ritchie e aí ela começou a trabalhar no Swept Away.

A sua parceria com o DJ britânico Stuart Price ajudou-a muito na produção do álbum Confessions on a Dance Floor. Em 2007, ela se juntou aos artistas mundialmente conhecidos Justin Timberlake e Timbaland, e dessa parceria surgiu o álbum Hard Candy, no qual ela apresentou um outro ritmo.

O single 4 Minutes, que ela produziu com Timberlake e Timbaland, levou Madonna a conquistar o 37º Billboard Top, ou seja, a figurar entre as músicas mais tocadas, com o que ela ultrapassou Elvis Presley, que até então era o recordista na lista dos top ten hits.

A aquisição e desenvolvimento das competências, bem como o reconhecimento das lacunas nas aptidões são, sem dúvida, as atitudes vitais para se poder vencer as barreiras críticas que impedem o sucesso das empresas, de forma que os gestores principais das mesmas precisam descobrir rapidamente quais são os pontos fortes e fracos nas mesmas.

Além disso, é vital saber desenvolver as suas capacidades através de parcerias, relacionamentos e alianças com os que fazem melhor certas atividades as quais não se consegue fazer com a mesma eficiência.

Essa é uma lição fundamental que se deve aprender de Madonna, que soube como ninguém alavancar e evidenciar seus pontos fortes e sobrepujar as suas fraquezas com o auxílio dos outros.

4ª DIMENSÃO – IMPLEMENTAÇÃO CONSISTENTE.

Madonna demonstrou a sua capacidade de manter-se durante muito tempo no topo através da sua comprovada habilidade de implementar suas estratégias.

Talvez o fato mais impressionante é que Madonna não é um produto de alguma companhia musical (por exemplo, uma gravadora). O seu sucesso foi resultado do seu trabalho contínuo, persistente e principalmente de sua determinação de concluir as estratégias que desenvolveu.

Apesar do crescente domínio no setor da mídia global de empresas como Warner Bros., Sony, Bertelsmann e Vivendi Universal, Madonna continuou mantendo sua independência enquanto expandia sua influência. A maior parte dos interesses de Madonna na área de entretenimento foram operados por empresas que pertenciam a ela. Assim, ela fundou a empresa de entretenimento Maverick, uma joint venture com a Time Warner.

A Maverick tinha condições de gravar músicas, produzir filmes, gerenciar as apresentações da artista em programas de televisão, vender seus livros e fazer também o seu marketing. A empresa também passou a gerenciar a carreira de outros cantores.

Em 2007, Madonna separou-se da Warner Bros. e assinou um contrato de dez anos com a empresa Live Nation, por US$ 120 milhões.

Anualmente, a Live Nation promove ou produz mais de 22 mil eventos, incluindo-se os concertos mundiais, shows teatrais e outros eventos, com o comparecimento de um público total de cerca de 50 milhões de espectadores.

Madonna, na Live Nation, tem agora um novo site para a gravação de músicas denominado Live Nation Artists.

No período final de 2008 e início de 2009, Madonna apresentou pelo mundo o Sticky and Sweet Tour, na qual divulgou fundamentalmente o seu álbum Hard Candy, que foi o seu primeiro grande negócio com a Live Nation.

O resultado foi a maior receita bruta que um só artista proporcionou para a Live Nation, algo próximo de US$ 280 milhões, ultrapassando bastante o seu próprio recorde anterior, obtido com o Confessions on a Dance Floor.

A implementação tem uma importância vital nas organizações e os gestores das mesmas sabem que elaborar uma estratégia é a parte mais fácil, a complexidade está justamente em todos os detalhes que precisam ser executados para que ela tenha sucesso.

Muitas empresas gastam meses (ou até anos) para elaborar suas estratégias e depois talham fragorosamente no desenvolvimento das estruturas, dos processos e de outros pressupostos organizacionais que permitam implementá-las.

5ª DIMENSÃO – RENOVAÇÃO CONTÍNUA.

Um elemento essencial que assegura o sucesso tão duradouro de Madonna foi a sua habilidade de renovar sua popularidade sucessivamente.

Assim que ela lançou o álbum American Life, ineditamente embarcou em 56 apresentações nas mais diversas cidades do mundo com o seu Re-Invention Tour, e com ela, em 2004, arrecadou US$ 100 milhões, um recorde até aquele ano.

Madonna teve a capacidade de reinventar o seu estilo e o som das suas canções, bem como mudou de acordo com a evolução das atitudes das pessoas e das normas sociais.

Assim, se no início dos anos 1980 ela tinha um aspecto punk pop, já no final dessa década se “reencarnou” como se fosse a Marilyn Monroe, no começo dos anos 1990, aparecia com uma imagem suave e ao mesmo tempo um tanto pornográfica, como foi o caso de seu livro Sex e do filme documentário In Bed With Madonna.

E novamente ela mudou a sua imagem, talvez pelo fato de que iria ser mãe, ao final dos anos 1990, o que se percebe no lançamento de Confessions on a Dance Floor.

Certamente, é por todas essas suas mudanças que Madonna é também conhecida como a “rainha da reinvenção” dentro dos círculos da indústria musical.

Ouve-se muito no mundo corporativo que é muito difícil, para não dizer impossível, ensinar “truques novos para cães velhos”. É por isso que as organizações investem bastante em contratação de jovens ousados e criativos, que permitam sua contínua reinvenção.

Madonna, apesar de estar envelhecendo, não parece que está confortável com tudo o que lhe trouxe sucesso até agora e, por isso, a cada ano, apresenta algo bem diferente para o seu público.

CONCLUSÃO

Praticamente a maioria das pessoas irá concordar que Madonna não tem a voz de Anastasia, nem a habilidade de interpretação de Nicole Kidman ou o talento para compor canções de Justin Timberlake. Embora ela ainda esteja em excelente forma física, sem dúvida não é tão bela como Jennifer Lopez, Mariah Carey ou Beyoncé.

Os papéis que interpretou em vários filmes também foram alvo de críticas sarcásticas e o mesmo ocorreu com o seu álbum American Life, lançado em 2003, quando sofreu bastante com as sugestões de alguns especialistas dizendo que ela “precisava tirar férias, pois estava estressada devido a uma carreira muito longa.”

Porém, apesar dessas aparentes lacunas ou falhas nas suas capacidades e ocasionais recuos ou desapontamentos, ela tem sido extremamente competente para reestruturar e reformular sua carreira de tempos em tempos.

Como Madonna demonstrou em todos esses anos, estratégia não significa a simples elaboração de um plano para ser implementado sem adaptações ou sem evolução, mas, ao contrário, a formalização de uma orientação global que incorpora os cinco elementos-chave: visão, discernimento sobre os clientes e a indústria musical, alavancar as competências e diminuir as fraquezas, implementação consistente e foco continuamente na inovação e renovação. E esses cinco elementos são igualmente importantes tanto para as empresas de manufatura como aquelas que atuam no setor de serviços.

No meio do ano de 2009, Madonna começou a trabalhar nas músicas que compõem o seu álbum Celebration e, no processo de planejamento da sua próxima turnê mundial, em parceria obviamente com a Live Motion.

A revista Forbes classificou a cantora como a terceira celebridade mais importante do ano de 2009.

O fato é que, após mais de 25 anos de profissão como entertainer, não há nenhuma indicação de que a carreira de Madonna esteja em declínio, e tudo indica que a “rainha da reinvenção” continuará divertindo, encantando e arrancando aplausos de multidões com a sua música por no mínimo mais uma década, apesar de ter hoje na Lady Gaga uma rival no que se refere à excentricidade, inventividade e deslumbramento…

* Capa Original: O livro será lançado em Abril pela DVS Editora.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *